domingo, 2 de outubro de 2011

Gatinhos de Rua


Minha gente, foi criada uma página, noa Facebook, para apoiar e divulgar o trabalho de um grupo de voluntárias junto de animais de rua e/ou abandonados.

Este grupo de voluntárias presta cuidados diários a gatos de rua, desde esterilizações, a tratamentos, cirurgias e cuidados pós-operatórios, assim como alimentação e higiene.

Os gatos que passam pelas mãos destas voluntárias sofreram, muitos deles, de abandono e/ou maus-tratos. Para a maioria, são encontradas famílias definitivas de acolhimento. Outros, devido à idade ou ao facto de não se habituarem a uma vida caseira, são colocados ou devolvidos a colónias. Estas voluntárias deslocam-se, diariamente, a essas colónias para alimentarem e mimarem os gatinhos.

Venham espreitar as novidades em Gatinhos de Rua


sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Vamos ajudar o Fábio

O Fábio é sobrinho de duas senhoras que já conheço há muitos anos. Teve um acidente de viação, no fim do ano passado e, agora, vai para Cuba fazer tratamentos.
Para tal, precisa de ajuda.

Este fim-de-semana, durante a Feira do Monte, na cidade de Santiago do Cacém (concelho natal do Fábio e meu, também), o Fábio e amigos vão ter uma banca a vender de tudo um pouco. Todos os lucros reverterão para ajudar o Fábio.
Passem por lá, bebam uma cerveja, comam uma bifana, comprem um pote de mel, brincos e objectos decorativos para oferecer no Natal e, claro, a t-shirt "Eu ajudei o Fábio, e tu?"

Links do Facebook:
Vamos ajudar o Fábio

Espaço Solidário Os Amigos do Fábio


Abaixo, segue cópia da carta que foi publicada no Facebook, que explica toda a situação

"Caros colegas e amigos,

Dirijo-me a vós para vos contar uma história triste mas que, com a vossa ajuda e solidariedade, pode ter um final feliz.

O Fábio Ventura, é um Agente da Polícia Marítima, com 25 anos de idade, que no passado dia 21 de Outubro de 2010, sofreu um grave acidente de viação na cidade da Horta e que o lançou numa cama impedindo-o de realizar os mais elementares movimentos sem a ajuda de terceiros.

As lesões sofridas, vértebras C4, C5 e L4, apontavam para um cenário de tetraplegia que evoluiu favoravelmente, já conseguindo alguns movimentos nos membros superiores.

A força de vontade dele próprio e o apoio familiar, tem sido o pilar da sua recuperação.

Acreditamos que muito mais pode ser alcançado se, depois de avaliado, for seguido um tratamento e até uma cirurgia recuperativa.

Surgiu a hipótese de isso acontecer numa clínica cubana, cuja experiência noutros casos semelhantes, resultou em verdadeiros êxitos, diria, milagres da medicina.

Nesta primeira fase, a deslocação, internamento, avaliação e alojamento, quer dele, quer do familiar que o acompanhe, tem um encargo, no mínimo de 50.000,00 Euros.

O seguro da viatura própria em que ele seguia e conduzia, apenas cobria terceiros e outros ocupantes, logo, ele não está abrangido por esse mesmo seguro.

Sei que vivemos uma época de crise, onde muitos de nós queremos o chegar ao fim do mês com o suficiente para as nossas necessidades básicas.

Mas também sei que podemos prescindir do café da tarde, dum ou outro cigarro, da ida ao cinema e auxiliarmos este nosso amigo e colega.

Podemos fazer a diferença.

Vamos fazer a diferença.

Colabora, fazendo um depósito na conta (0007 0000 00042853437 23).

Se não poderes contribuir monetariamente, não deixes de reencaminhar esta carta."


domingo, 7 de agosto de 2011

Em Português

Aqui, há uns tempos, andei pelos anúncios do site Coisas e que coisas que por lá vi... lol...

Ora, vejam, também!








E o escantador (deve ser uma espécie de mix entre um esquentador e um decantador) é a "gàz"!

domingo, 13 de março de 2011

Palco dos Sabores


As minhas experiências culinárias ganharam uma nova casa.

Saboreiem o Palco dos Sabores!

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Mais mudanças...




"Não vale a pena mudar enquanto estamos felizes."

... mais uma achega para mudar... e arranjar tempo e disposição para isso!

Será que só as mulheres?


Já passei por isso... algumas vezes...

Olhar,
desesperadamente,
freneticamente,
constantemente,
para o telemóvel, à espera que toque.
Que seja a voz dele do outro lado (sonora ou escrita).

E esperar, esperar, sabendo que não vai tocar.
Sabendo que estou a ser tonta.
Sabendo que acabou, mesmo que não mo tenham dito e que nunca mo irão dizer.

Já passei por isso... algumas vezes...

E, para ser sincera, já estou pronta para outra.

Pronta para que o telefone toque e que seja a voz dele do outro lado.
Para que não acabe.
Para que, se acabar, tenham tomates para mo dizer.

Alguém me está a ouvir? Estou pronta.

Uma espécie de comentário a este post, deste blog que descobri hoje e que estou a ler

Tempo de mudar... para mudar...

Não crescemos, se não mudarmos... acabei de ouvir.

É certo! E eu quero mudar, para crescer.
Mas, agora, não consigo; não tenho tempo; não me consigo concentrar na mudança que preciso!
Estou ocupada a ser confrontada com situações que me desafiam, que me assustam e que me fazem colocar em causa as minhas capacidades. Situações simples e que eu boicoto, constantemente.
Depois de ultrapassar esta fase (que está quase a terminar e, espero, que da melhor forma possível, ou seja, boa ou razoável), vou ter que arranjar tempo para a tão merecida mudança, para o crescimento. Então, as próximas fases, sejam elas quais forem, vão ser encaradas com outra disposição, com outro alento, com outra vontade e confiança!

Há coisas que não conseguimos mudar, pelo menos, não facilmente.
Que dependem de nós, mas não só.
Vou partir do princípio que não vão mudar, não já, não num futuro próximo.
Para encarar este facto sem me entregar à "monotonia monótona, rotineira e cinzenta", quero mudar, tenho que mudar!

Quero crescer, mudar, sorrir, a torto e a direito.
Sorrir para as pessoas desconhecidas que passam por mim na rua, para quem se cruza comigo no supermercado, para quem está parado no trânsito no carro ao lado do meu.
Sorrir para os vizinhos com quem me cruzo nas escadas, para os colegas de trabalho, para os colegas de faculdade, para os professores e funcionários.
Sorrir para e com os amigos.

Quero cumprimentar quem se me dirige, sem o olhar cansado a pesar-me nos olhos.
Quero responder com firmeza e calmamente às perguntas que me são feitas, por mais estúpidas que me possam parecer ou por mais que já as tenha respondido nos últimos minutos.

Quero não me sentir incomodada quando me pedem ajuda ou direcções. Não sentir isso como uma invasão do meu espaço, um roubo do meu tempo.

Quero correr, nadar, andar, saltar, rir, dançar... dançar... dançar... adoro dançar e há que tempos que não o faço. Dançar durante horas, de olhos fechados, de olhos abertos, toda a noite.
Quero passear sob o sol de Inverno, no frio de um fim de tarde de Primavera, ao pôr-do-sol de Verão e sobre as folhas quebradiças de Outono. Adoro pisar as folhas no Outono.

Quero mudar.
Quero crescer.
Quero encarar as coisas que sei que não vão mudar, com mais leveza.
Quero não me sentir como a mais infeliz das infelizes só porque essas coisas não vão mudar.
Se elas não mudam, mudo eu! Vou mudar e vou crescer. Vou não dar importância a quem a não tem. Vou ser mais eu! Outra vez! Já o consegui fazer, por isso sei que o vou conseguir de novo!

Quero...
Vou...
mudar...
crescer...

Não vai ser já.
Daqui a pouco... muito pouco... um pequeno instante... só para pôr tudo no lugar antes... está mesmo quase...

Uma foto por dia

Como já devem ter reparado, ou talvez não, este projecto, mal começou foi deixado de lado.

Não consigo, não neste momento. É pena, pois era bem engraçado e foi logo comprometido.
Assim que terminarem os exames (a minha desculpa para tudo, nos dias que correm), quero retomá-lo, compensando todos os dias em que não houve fotos, para que a 31/12/2011, haja 365 fotos publicadas.

Não sendo a mesma coisa, é o mais que se pode arranjar.

Sometimes I think...

Conversas...




Há uns dias, almocei com uma amiga de longa data, no dia de aniversário dela. Há meses que não nos víamos e que não falávamos das nossas coisas: roupas, perfumes, presentes, pessoas, sentimentos, relações, música, livros, comida, ginástica e sei lá o que mais.

No meio da conversa, falou-se de relacionamentos com homens casados (sendo que esta situação não se aplica a nenhuma de nós):
Eu: "Um relacionamento com um homem casado não tem futuro: nunca vai deixar a mulher para ficar connosco."
F: "Nem os divorciados deixam, não é?"

Fiquei contente com os segundos que demorei a perceber a indirecta. Bom sinal, muito bom sinal, mesmo!

sábado, 8 de janeiro de 2011

Uma foto por dia #7

Precisava que o tempo parasse, nem que fosse só um pouco!
07/01/2011

Uma foto por dia #6

Anda muito"inteligente", a menina!
06/01/2011

Uma foto por dia #5

Igreja junto à Faculdade de Economia
05/01/2011

Uma foto por dia #4

Arbustos na faculdade (a minha 2ª casa)
04/01/2011

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Uma foto por dia #3

E assim se passou o 3º dia do ano, com direito a exame e tudo!
03/01/2011

domingo, 2 de janeiro de 2011

Uma foto por dia #2

E é assim que se passa o segundo dia do ano
02/01/2011

Uma foto por dia

Tenho um novo projecto para 2011. Uma coisa simples, mas demorada. Eu, que não sou nada de compromissos, espero conseguir cumprir.

A ideia (retirada daqui) é tirar e publicar uma foto por dia. A primeira já está. A segunda vem de seguida.

How to be alone




If you are at first lonely, be patient. If you've not been alone much, or if when you were, you weren't okay with it, then just wait. You'll find it's fine to be alone once you're embracing it.

We could start with the acceptable places, the bathroom, the coffee shop, the library. Where you can stall and read the paper, where you can get your caffeine fix and sit and stay there. Where you can browse the stacks and smell the books. You're not supposed to talk much anyway so it's safe there.

There's also the gym. If you're shy you could hang out with yourself in mirrors, you could put headphones in (guitar stroke).

And there's public transportation, because we all gotta go places.

And there's prayer and meditation. No one will think less if you're hanging with your breath seeking peace and salvation.

Start simple. Things you may have previously (electric guitar plucking) based on your avoid being alone principals.

The lunch counter. Where you will be surrounded by chow-downers. Employees who only have an hour and their spouses work across town and so they -- like you -- will be alone.

Resist the urge to hang out with your cell phone.

When you are comfortable with eat lunch and run, take yourself out for dinner. A restaurant with linen and silverware. You're no less intriguing a person when you're eating solo dessert to cleaning the whipped cream from the dish with your finger. In fact some people at full tables will wish they were where you were.

Go to the movies. Where it is dark and soothing. Alone in your seat amidst a fleeting community.

And then, take yourself out dancing to a club where no one knows you. Stand on the outside of the floor till the lights convince you more and more and the music shows you. Dance like no one's watching...because, they're probably not. And, if they are, assume it is with best of human intentions. The way bodies move genuinely to beats is, after all, gorgeous and affecting. Dance until you're sweating, and beads of perspiration remind you of life's best things, down your back like a brook of blessings.

Go to the woods alone, and the trees and squirrels will watch for you.

Go to an unfamiliar city, roam the streets, there're always statues to talk to and benches made for sitting give strangers a shared existence if only for a minute and these moments can be so uplifting and the conversations you get in by sitting alone on benches might've never happened had you not been there by yourself.

Society is afraid of alonedom, like lonely hearts are wasting away in basements, like people must have problems if, after a while, nobody is dating them. But lonely is a freedom that breaths easy and weightless and lonely is healing if you make it.

You could stand, swathed by groups and mobs or hold hands with your partner, look both further and farther for the endless quest for company. But no one's in your head and by the time you translate your thoughts, some essence of them may be lost or perhaps it is just kept.

Perhaps in the interest of loving oneself, perhaps all those sappy slogans from preschool over to high school's groaning were tokens for holding the lonely at bay. Cuz if you're happy in your head than solitude is blessed and alone is okay.

It's okay if no one believes like you. All experience is unique, no one has the same synapses, can't think like you, for this be releived, keeps things interesting lifes magic things in reach.

And it doesn't mean you're not connected, that communitie's not present, just take the perspective you get from being one person in one head and feel the effects of it. Take silence and respect it. If you have an art that needs a practice, stop neglecting it. If your family doesn't get you, or religious sect is not meant for you, don't obsess about it.

You could be in an instant surrounded if you needed it
If your heart is bleeding make the best of it
There is heat in freezing, be a testament.

Tanya Davis


Uma foto por dia #1

Início de outro junto de vocês
01/01/2011

sábado, 1 de janeiro de 2011

Há algo de errado com esta embalagem...

Ervilhas...


Vem mais um a ervilha a caminho... mais uma ervilha para cuidar, para mimar, para ver crescer e desenvolver-se, para ver as cabriolices, as imitações, as gracinhas.

Estamos ansiosos para saber de que marca é e para ver o rostinho de criança feliz e saudável! Venha ela! Estamos cá para sempre!